Corpo e autoestima

Sentimento de inferioridade em relação ao corpo e como isso influencia na autoestima.


Você acorda, toma café da manhã, abre o Instagram rapidinho (só pra dar uma olhada antes do trabalho) e vê a foto da blogueira/ influenciadora X com um biquíni cavado até a alma sem um pingo de gordura em lugar nenhum, ao fundo, uma praia paradisíaca. Se ao ver a foto dela você se sente pra baixo, triste, se pega criticando ela, ou se questiona como ela consegue dinheiro para "não trabalhar" e viver uma vida "maravilhosa" temos um problema aí.


A grama do vizinho é mais verde mesmo?


Nós, usuários das redes sociais, tentamos sempre mostrar o nosso melhor lado, as festas, os melhores ângulos, e tudo bem, mas algumas pessoas entendem as postagens como se a vida de outros fossem perfeitas, e nisso pagamos um preço muito caro, a nossa saúde mental.


É natural do ser humano sempre postar e mostrar os melhores ângulos, mas é importante o espectador saber filtrar, bem como o influenciador ter responsabilidade ao influenciar.


Sempre insatisfeita


Particularmente, eu sempre reclamava do meu corpo, sou alta, e fui muito magra, para algumas pessoas isso seria sinônimo de felicidade, mas para mim era um pesadelo, com 1,72 de altura pesava 50 kg e não gostava de mim, pois as meninas da minha idade, tinham perna grossa, cintura fina, e glúteo grande. Hoje em dia fico impressionada ao lembrar do quanto eu me diminuía, em relação à tudo, se tirasse uma nota menor, era burra, meu cabelo não era liso, então era feio, meu nariz não é fino, e vivia dizendo pra mim mesma que ele parecia uma batata.


Viu só? eu era rodeada de pessoas diferentes de mim, e não conseguia ver a minha beleza, resultado disso era que a minha autoestima estava sempre baixa.


Tudo mudou quando ao conversar com uma amiga mais velha, e ela fez a seguinte pergunta: "se você não está feliz com o seu corpo, o que está fazendo para ficar feliz com ele?, porque é o único que você tem!" Aquela frase ecoou na minha cabeça por dias, todo o tempo que passei criticando as mulheres a minha volta, só me prejudicava e não me faria ficar melhor, era um paliativo sabe? Um consolo para mim mesma, e para a minha falta de atitude.


Mudei: passar a aceitar o meu corpo alto magro e desproporcional como era comecei a vez beleza nele, e fazer algo para mudar o que poderia ser mudado. Depois de alguns anos, percebi que não importa como a outra mulher é, o que importa é se EU gosto de MIM, independente de como está a minha aparência física.


A autoestima é um conjunto de impressões que temos de nós mesmos, sejam físicas ou emocionais, e a satisfação com o nosso corpo está diretamente ligada a ela, mas é importante ter em mente de que a autoestima é mais que aparência. É normal nos sentirmos insatisfeitas com algum aspecto do nosso físico, mas devemos ter cuidado até onde deixamos esse descontentamento influenciar na nossa felicidade.


Entende? a questão aqui é aceitação, e a importância dela para a sua vida. Não que você não pode mudar o que não te agrada, longe disso, mas contanto que não seja pelos outros, e sim por você, a realidade dos outros é diferente, e é crucial entender isso para uma vida mais feliz.


Sabe aquela blogueira que tem a barriga chapada? Ela pode ter feito drenagens massagens, uma dieta restrita, exercícios físicos à anos!!!

Sabe aquele nariz "parecendo de boneca" ? ou ela nasceu assim, ou foi submetida à uma RINOPLASTIA!


Mas quem disse que a barriga chapada é mais bonita que as suas curvas, ou que as unhas gigantes de fibra de vidro são mais bonitas que as suas curtas e funcionais? E se alguém disse isso pra você, quem essa pessoa pensa que é para falar que você não é bonita???


Que poder esta pessoa, esta rede social, ou este grupo de amigos tem para falar algo sobre seu corpo?

Padrões são estabelecidos todos os dias, mesmo que a gente não perceba, mas não somos obrigadas a segui-los, temos o livre arbítrio para escolher, e esse trabalho começa de dentro para fora.


Como melhorar minha autoestima?


Parece simples, mas requer muita força de vontade. A autoestima é muito mais do que o exterior, mas como você se sente em relação à ele.


  1. Se olhe no espelho e encontre partes que gosta, fale pra você que são bonitas;

  2. Elogie (sinceramente) características de outras pessoas, não relacionadas com a aparência (parece fácil, mas as vezes temos dificuldades de admirar ao invés de ter inveja);

  3. Pratique exercícios físicos (vai mudar o seu corpo, injetar endorfina e de quebra melhorar a sua saúde);

  4. Dê agrados à si mesma (pode ser até uma hidratação no cabelo, agrade-se);

  5. Cuidado com as comparações, elas sempre vão estar lá, mas lembre-se que cada um tem uma trajetória, e mesmo se você fazer tudo igual, será diferente;

  6. Cuidado com a autocritica (sim, você tem a total liberdade de se criticar, mas cautela, não deixe que isso te faça infeliz);

  7. Escolha bem as suas companhias (não tem nada mais chato do que se sentir desconfortável perto dos amigos né, reflita sobre isso, você não é obrigada a conviver com pessoas desagradáveis que não tem apreço pelo seu bem estar e felicidade).

  8. Dê um unfollow em pessoas que te deixam pra baixo, aquele botão serve tanto para seguir quanto para deixar de seguir.


Lembre-se que a autoestima é sobre você, é sobre as boas ações que você faz ao mundo, se você é uma boa pessoa, como cuida da sua saúde, se acolhe as pessoas sem julgá-las... Você é relevante, e seu corpo é tão importante quanto. Não interessa como ele seja atualmente, e caso você queira mudá-lo, tudo bem, a aparência física não é, ela está. E você tem a total liberdade de ser como quiser, mas um conselho de amiga, faça por você nunca pelos outros.



Xoxo, Andréia.