Um amor chamado Virgin River





Num sábado ocioso, vasculhei a netflix procurando uma série diferente. Me deparei com Virgin River, e de cara já fiquei interessada pois é a primeira série que vejo onde a protagonista é uma enfermeira.


A história é sobre mel, uma enfermeira que é contratada para trabalhar numa clínica de uma cidadezinha que lembra muito aquelas de fronteira entre o Canadá e os EUA, cheia de montanhas e paisagens deslumbrantes.


Mel enfrenta problemas pessoais bem sérios e ao mesmo tempo que tenta trabalhar na cidade com uma cultura totalmente diferente e fechada.


É uma história sobre relacionamentos, importância do diálogo cuidado, amor ao próximo e superação.


Ao longo dos episódios ela conhece Jack que a ajuda a enfrentar alguns problemas e melhorar a sua estadia na cidade.


As subtramas não deixam a série ficar longa demais, e dão um contexto espacial sobre a cidade e seus moradores.


A gente se põe no lugar de cada um dos personagens torce por eles, e sofre junto também.


A trilha é maravilhosa, com músicas que se encaixam perfeitamente nas cenas causando alegria ou peso dramático na medida certa.


As atuações passam uma verdade linda de se ver, eu me apaixonei pela espontaneidade da personagem Hope, prefeita vivida pela atriz Annette O'Toole.


Elenco principal

▪ Alexandra Breckenridge

▪ Martin Henderson

▪ Tim Matheson

▪ Annette O'Toole


A série é baseada na série de livros escrita por Robyn Caar e dirigida lindamente por Sue Tenney.


Ao longo dos episódios, percebemos o quão reais são as situações retratadas, e que provavelmente faríamos o mesmo se fosse com a gente.


Vale a pena maratonar todos os episódios com um bom vinho.


Espero que gostem da série, abraços da Déia.